Propostas de Gestão

A atual gestão do SINDICÂMARA foi eleita em dezembro de 2014 para um período de três anos. As propostas da então CHAPA 2: SINDICATO PARA TODOS! estão fundamentadas no princípio de que a construção coletiva é a melhor forma de termos um sindicato forte e que represente os anseios de toda a categoria. Somente a participação constante de seus associados é capaz de manter o diálogo permanente entre representantes e representados, evitando o distanciamento de idéias e ações. O fomento ao diálogo e o incentivo à participação de TODOS OS SERVIDORES da Casa será o nosso norte. Nesse sentido, estamos determinados e comprometidos a:

– Constituir uma gestão plural que coloque a categoria em primeiro lugar e que a unifique na defesa dos direitos de TODOS OS SERVIDORES;

– Contribuir com a elaboração do novo PCCS para CMPA, que deverá propiciar carreira para todos os servidores, independentemente do cargo, resultar em ganho coletivo para toda a categoria, resolvendo os problemas existentes nas diversas carreiras, sanando as distorções entre cargos e realizando uma distribuição justa das gratificações, sem abrir mão das conquistas históricas da categoria, como, por exemplo, a Lei 3961/74, que assegura, para quem tem 25 anos de município, o vencimento do grau mais elevado de sua classe;

– Resgatar o espírito democrático do Sindicato reativando o Conselho de Representantes de Classes, órgão que garante a participação plural das diversas classes de servidores e que foi abandonado pela gestão anterior do Sindicâmara;

– Defender o interesse dos servidores, frente a qualquer tentativa de instituição de ponto eletrônico na Casa sem que haja o devido diálogo com os servidores e a isonomia no regramento da questão, pois a implementação de forma impositiva trará, como já ocorre no Poder Executivo e na Assembléia, a criação de castas no serviço público, onde poucos podem tudo e os demais servidores ‘desprestigiados’ ficam obrigados a cumprir, sob pena de punição, um regulamento elaborado à revelia dos mesmos;

– Analisar e discutir com toda a categoria o conjunto de ações em andamento que possam, de alguma forma, serem danosas aos servidores, como vem ocorrendo na questão dos desvios de funções, cuja decisão foi tomada de forma unilateral pela gestão anterior do Sindicâmara e, que até o momento, tem trazido muito mais problemas que eventuais soluções;

– Não tomar nenhuma decisão que afete a vida do servidor sem que a mesma seja discutida amplamente no Conselho de Representantes e referendada posteriormente em Assembléia Geral, pois cada servidor da Câmara, sindicalizado ou não, deve ser tratado e respeitado como um colega sem jamais esquecer que por trás de um cargo ou de uma função gratificada está um ser humano, com sua história, seus problemas e suas dificuldades;

– Encontrar a melhor forma de reverter o valor da contribuição sindical compulsória em prol dos associados, a fim de que o mesmo não seja utilizado apenas para aplicações financeiras por parte do Sindicâmara;

– Defender, por princípio, a realização de Concurso Público para o preenchimento de cargos na Câmara Municipal que, por sua vez, tem o dever de disponibilizar ao seu servidor uma estrutura de apoio e acompanhamento funcional permanente, formada por um corpo técnico especializado para atender as mais diversas demandas relacionadas ao exercício do cargo e, conseqüentemente, ao desenvolvimento da carreira;

– Encaminhar ao Conselho de Representantes de Classes a pauta do Acordo Coletivo de Trabalho, com os itens atendidos e aqueles que continuarem pendentes, para avaliação dos mesmos e encaminhamento de novas sugestões para que o Sindicâmara elabore a nova pauta que será aprovada em Assembléia Geral;

– Criar o Conselho de Representantes dos Aposentados instituindo um canal formal e permanente de comunicação entre os aposentados e o Sindicâmara.